Oratória e Evangelismo Pessoal (Revisado)

Publicado: 02.03.2013 em Evangelismo Pessoal, Homilética, Oratória
O conteúdo encontra-se disponível em PDF, Acesse os Links: http://pt.calameo.com/books/000029640b347c8f2d83d (Apóstila) e http://pt.scribd.com/doc/128087928/ORATORIA-E-EVANGELISMO-PESSOAL (PPS)

Conteúdo para Baixar:

ORATÓRIA 

Conceito:

Conjunto de Regras e técnicas que permitem apurar as qualidades pessoais de quem se destina falar em público. 

Normalmente, conceitua-se oratória como a arte de falar em público, entretanto, este é um conceito redundante quando comparado a outras artes ou ciências que também tratam do desenvolver técnico de explanar ao público. 
É singular em sua aplicação e essência. 
Como descrito no conceito acima, trata-se de regras e técnicas que permitem apurar as qualidades do orador, ou seja, esta doutrina salienta a peculiaridade do candidato, não dos ouvintes, portanto, capacita-o a lidar com os mais variados ambientes, pois visa despertar no orador suas habilidades natas. 
A Oratória é derivada de outra doutrina: a Homilética; É importante frisar que, em termos religiosos, este assunto (ORATÓRIA) está contido dentro da HOMILÉTICA. 
Diversas doutrinas abordam o falar em público ou com outra pessoa. Precisamos, portanto, compreender alguns conceitos para diferenciar a ORATÓRIA das demais doutrinas que lidam com a arte de falar em público. 

1 – Retórica
[Do gr. rhetoriké (subentende-se téchne), ‘a arte da retórica’, pelo lat. rhetorica.]

Divisões da Retórica
Estudo do uso persuasivo da linguagem, em especial para o treinamento de oradores. Tradicionalmente cinco são as partes do estudo retórico: 
(a) a inventio, ou descoberta de argumentos; 
(b) a dispositio, ou arranjo das idéias; 
(c) a elocutio, ou descoberta da expressão apropriada para cada idéia, e que inclui o estudo das figuras ou tropos; 
(d) a memoria, ou memorização do discurso; e 
(e) a pronuntiatio, ou apresentação oral do discurso para uma audiência. 
A Importância da Retórica é ressaltada por Demóstenes (383~332 a.C, o maior orador Grego), como elementar para o sucesso humano. Um sermão pode ser conceituado como “demostênico” devido à sua eloquência, sendo com isso classificado como elegante, sublime; 
O imortal ateniense Demóstenes, muito citado nos livros e cursos de oratória, desde o seu nascimento, fora embaraçado por graves carências, inclusive a gaguez. Como tinha a ambição de transmitir aos outros os seus pontos de vista, seixos na boca para melhor articular sua gagueira; ou diante do mar bravio discursava inibindo, sem saber, o próprio feedback auditivo e o pressentido medo de vozes da multidão; ou postava-se diante de uma espada que lhe roçava o peito, a fim de auto-regular suas sincinesias posturais e corporais; ou aprendia com Sátiro, a intencionalidade do humor sútil, a crítica dirigida inteligentemente, o poder da palavra que influenciava o povo de Atenas, que o confirmava Homem pensante, racional e loquens (falante). O seu esforço foi tanto que não demorou muito tempo para se tornar o maior orador de todos os tempos. 
Podemos conceituar Retórica como o conjunto de regras relativas à ELOQÜÊNCIA. 

2 – Eloquência
[Do lat. eloquentia.]

Eloquência na Retórica

Parte da Retórica que cuida do estilo e estética do Discurso 
Capacidade de falar e exprimir-se com facilidade. A arte e o talento de persuadir, convencer, deleitar ou comover por meio da palavra. A arte de bem falar. Elegância no falar, capacidade de convencer. A Retórica trata das regras da Eloquência. A eloquência não é falar fácil e corretamente, impressionar os sentidos alheios, mas expressar o pensamento próprio, com graça, equilíbrio, harmonia e muita perspicácia de tempo e lugar. 
“A eloquência é a pintura do pensamento” (Pascal) 
“A eloqüência é o talento de transmitir com força ao espírito dos outros, o sentimento de que o orador está possuído” (E. Ferri) 
“A eloqüência é a arte de dizer bem aquilo que é preciso, tudo quanto é preciso, e nada mais do que isso” (Dammien) 
“A eloqüência é a sinceridade na ação” (R. Barbosa) 
No século XVII a Retórica passa a ser chamada de Homilética. 

3 – Homilética
[Do gr. homiletikós.]

Homilética
É a arte do preparo e pregação de sermões. 
É o estudo que se ocupa com o discurso em grupo, procurando a forma correta de preparar e repassar o sermão de modo compreensível, agradável, equilibrado, e embasado no contexto daquela religião. 
Derivado do Grego “HOMILOS” que significa multidão, Assembléia do povo, derivando assim outro termo: “HOMILIA” (pequeno discurso do verbo “OMILEU”, conversar). “Homilia” [gr. Homós (‘semelhante’, ‘igual’) + íle (‘grupo’, ‘companhia’) = Homilia], que significa reunião, conversação familiar. Este termo grego significa antes de tudo “um discurso com a finalidade de Convencer e agradar”. 
É o estudo e pesquisa necessária para que os sermões tenham conteúdos bíblico e contemporâneo. Organização das ideias que serão apresentadas a determinada Assembléia (multidão). Estuda os fundamentos e princípios de como preparar e proferir sermões. Arte de pregar sermões religiosos. 
O estudo da Homilética abrange tudo o que tem a ver com a pregação e apresentação de práticas religiosas. 
Objetivo da Homilética
É a ciência cuja arte é a pregação e cujo resultado é o sermão. 

4 – Sermão
[Do lat. sermone, ‘conversação’.]

Discurso religioso geralmente pregado no púlpito; pregação com que se procura convencer alguém. Pode também ser interpretado como uma censura com o objetivo de moralizar. 

Tipos de Sermão
Pode se dividir em três tipos:

· Temático

· Textual

· Expositivo

Estrutura do Sermão

As três divisões (Estrutura) de um sermão são:

· Introdução ou Exórdio

· Corpo ou Exposição

· Conclusão ou Epílogo

Além dos termos expostos acima, podemos ainda destacar dois tipos mais genéricos para a arte de falar em público: O Discurso e a Dialética. 

5 – Discurso
[Do lat. discursu.]

Conjunto de frases ordenadas ao público. 
É uma peça oratória proferida em público ou escrita como se tivesse de o ser; Uma exposição metódica sobre certo assunto. Também pode ser qualquer manifestação concreta da língua. 
O Discurso pode ser: 
Discurso direto: Reprodução das palavras de alguém nos termos exatos em que foram ditas. 
Discurso indireto: Reprodução das palavras de alguém na terceira pessoa quer atribuindo-as claramente a outra pessoa em orações subordinadas a um verbo dicendi*, quer dizendo-as por sua própria conta em orações independentes. 
Discurso indireto aparente (Discurso indireto livre): caracterizado pela ausência de verbo dicendi*, e no qual o autor insere elementos da fala direta do personagem. 

* Verbos dicendi (de declaração) são os verbos como “dizer, afirmar, exclamar, perguntar, responder, redarguir”, que antecedem uma declaração, uma pergunta, etc. Ex.: Mariana exclamou: Que vida maravilhosa! 

6 – Dialética

[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Estrutura da Dialética

É a Arte do diálogo ou da discussão, quer num sentido laudativo (elogioso), como força de argumentação, quer num sentido pejorativo (desaprovação ou significação desagradável), como excessivo emprego de sutilezas. É entendido na filosofia como o desenvolvimento de processos gerados por oposições que provisoriamente se resolvem em unidades. 
Conforme Hegel, a natureza verdadeira e única da razão e do ser que são identificados um ao outro e se definem segundo o processo racional que procede pela união incessante de contrários — tese e antítese — numa categoria superior, a síntese. (Tese + Antítese = Síntese), ou ainda segundo Marx, é o PROCESSO DE DESCRIÇÃO EXATA DO REAL. Dialética é a arte do diálogo (CONVERSA, COLÓQUIO), ou ainda da Discussão (ALTERCAÇÃO, CONTENDA). Na filosofia, a dialética era fundamental para se chegar ao conhecimento da verdade. Sempre se desenvolvia o diálogo com ideias opostas para se chegar a abreviação do que se queria saber, e ao se chegar ao conhecimento, sabia-se que aquela síntese nada mais era do que a fusão das oposições. Sua importância é ímpar para o EVANGELISMO PESSOAL (face-a-face). 
Continuando o Estudo abreviado da Oratória, passaremos a uma breve abordagem sobre a doutrina, de modo direto e dinâmico: 
O PREGADOR É O ELO ENTRE A IGREJA E O TEXTO SAGRADO 

É o que fala a respeito da Palavra de Deus, Estuda aquilo que Deus disse a fim de saber o que Deus deseja comunicar, tentando trazer as implicações desta Palavra para a Congregação; A Palavra deve ser o centro do equilíbrio na mensagem, nunca as micronarrativas como hinos, alegorias, etc. Não que estes não possam ser usados, mas que seja utilizada como apoio, não como a metanarrativa, a mensagem em si. 
Muitos pregadores pecam neste sentido, deixam de usar como mensagem a Palavra de Deus, em seu lugar baseiam-se em hinos, testemunhos, etc. Certo Servo de Deus teve a oportunidade de pregar (anunciar) a Palavra para um seguidor de uma religião oriental, porém, ao invés de basear sua dialética (pois se tratava de um diálogo) na Palavra de Deus, usou de sua experiência, quando tentou de modo tímido “acrescentar algo bíblico”, falou de sua convicção da única verdade do evangelho, por causa das mudanças que foram operadas através do Senhor Jesus na sua vida; o Religioso hindu, muito educadamente, abriu-lhe um sorriso e afirmou: “Meu senhor Krisnha fez o mesmo por mim”. 
Pregar a Palavra é algo tão glorioso, que toda pregação evangélica só terá sucesso em seu objetivo se seu conteúdo for solidificado com a Palavra; testemunho pessoal ajuda, mas não deve ser a mensagem em si, só as escrituras podem ocupar este lugar, os demais elementos do sermão entram na micro, nunca na metanarrativa. 
Esta é a advertência que Paulo dá a Timóteo: 
Conjuro-te, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino, Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. (II Tm 4: 1~2) 
Paulo autoritariamente ordena a Timóteo: Prega a Palavra (Kerukson ton logon) (4:2); não importando se isso ocorre em tempo ou fora dele, portanto que Timóteo pregasse a Palavra, seja ela para Redargüir (contrapor, contestar), repreender, ou exortar, que fosse anunciada com generosidade, nobreza e doutrina. 
O QUE A PALAVRA DE DEUS ENSINA SOBRE O IDE 
Para podermos abordar a sessão sobre o EVANGELISMO PESSOAL, temos que entender como a Bíblia considera o anunciar a palavra do Senhor: 
1. Proclamação (Marcos 16: 15) 
No texto selecionado de Marcos, Jesus ao ordenar seus discípulos sobre o evangelho usou da expressão Pregar (Kerigma); o verbo Kerysso significa pregar, anunciar, proclamar, divulgar. O Pregador tem esta obrigação de anunciar publicamente o Evangelho de Cristo. 
2. Ensino (Mateus 28: 19~20) 
No Texto de Mateus, usa-se o verbo Ensinar (Didasko – VV.20), a fim de tornar os ouvintes em alunos (matheteuo – VV.19). Também é dada ao pregador a tarefa de ensinar e fazer discípulos. 
Assim gostaríamos de afirmar que tanto Anunciar ou Ensinar, é o que Deus projetou para aquele que fora comissionado na tarefa de anunciar sua Palavra. Portanto, pregar a palavra requer coragem para anunciar ao público e conhecimento da Bíblia para ensinar aos ouvintes as doutrinas sagradas. 
O EVANGELISMO PESSOAL 
Já que abordamos as regras de uma boa oratória e conhecemos as demais doutrinas que lidam com a Arte de Falar em Público, nos recordemos das definições sobre DIALÉTICA. 
No evangelismo pessoal, não acontece outra coisa a não ser uma boa e velha Dialética. O problema do evangelismo pessoal é que nem sempre os que se dispões a sair para “pregar” estão preparados, bíblica, espiritual e socialmente para lidar com argumentações que se opunha às suas convicções; 
Isso acontece por motivos simples, como: 
· Falta de Leitura Bíblica 
· Falta de uma boa disposição verbal 
· Desconhecimento do tipo de público que está lidando 
· Falta de Conhecimento Secular 
· Desatualização dos fatos atuais 
· Preconceito 
· Soberba, Presunção, etc. 
Como mensageiros da parte de Deus, devemos evitar estes embaraços, começar a cultivar atitudes que nos elevem a qualidade de pregadores responsáveis e compromissados com Deus e com sua obra. 
Uma das exortações que Paulo fez a Timóteo: 
Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2 Timóteo 2:15). 
Manejar bem a Palavra é o motivo de orgulho daquele que se dispõe a ser proclamador do Evangelho, quando o mensageiro de Deus, não sabe o que dizer ao seu ouvinte, ele falha em sua missão, passando a possuir motivos para envergonhar-se diante de seu Senhor. 
A Expressão ‘manejar bem a Palavra da Verdade’, significa simplesmente exatidão naquilo que está escrito. Dizemos isto baseado no fato da tradução da palavra MANEJAR procede da expressão grega ορθοτομουντα (orthotomunta), que significa “cortar reto”. 
O que Paulo orientava a Timóteo era o simples fato de ser exato no anunciar a Palavra de Deus, sem desvio, sem variação, sem permitir erros ao interpretar as linhas sagradas. Sem mistura, sem invenções, sem incrementações ANTIBÍBLICAS, etc. Não proceder desse modo, significaria para Paulo (servo que Deus usou para escrever 60% do novo testamento): 
· Estar Reprovado 
· Envergonhado 
· Despreparo para lidar com a Palavra de Deus 
Assim, podemos concluir que, Pregar a Palavra é muito mais que simplesmente ultrapassar a barreira da timidez, e da dificuldade com o público, é acima de tudo considerar a Palavra Santa como o que ela é: O Ultimato de Deus para o homem, por isso ao pregador é exigido o seguinte: 
· Intimidade com Deus (Oração) 
· Conhecimento da Palavra 
· Estudo exaustivo das Doutrinas Bíblicas 
· Fidelidade a Ortodoxia Cristã 
· Atualização sobre os fatos que ocorrem no mundo e com o homem atual 
· Amor pelo ser humano 
Por isso, devemos levar em consideração a leitura diária da Palavra de Deus, atualização sobre os fatos que ocorrem no mundo, dedicar-nos a compreender a forma de pensar do ser humano, ter uma regrada em oração, e acima de tudo pedir a Deus Amor pelas vidas, pois só amando nos dedicaremos por completo em pró dos que perecem nas trevas. 
Para finalizar, podemos aplicar algumas das regras citadas ao longo do item 3 – POSTURA (DIANTE DE SI MESMO), a partir do item 10. 
Dicas para facilitar o Falar em Público: 
Passaremos a relacionar algumas dicas para orientar o Pregador da Palavra de Deus, para que em seu ministério sempre haja o mover de Deus em suas ministrações: 
SOBRE O PREGADOR 
1 – QUALIDADES 
1. CARÁTER 
2. SATISFAÇÃO 
3. CORAGEM 
4. SAÚDE 
5. CONHECIMENTO: 
a) Jesus 
b) Bíblia 
c) Natureza Humana 
2– POSTURA (DIANTE DA IGREJA) 
a) Suba à plataforma bem preparado, MAS DEPENDENTE DO ESPÍRITO SANTO. 
b) Comece com calma. 
c) Prossiga de modo modesto. 
d) Não trema. 
e) Fale com clareza, sem declamar. 
f) Empregue frases curtas e bem claras. 
g) Evite monotonia. 
h) Seja sempre senhor da situação. 
i) Não empregue sarcasmos, expressões maliciosas, nem provoque risos, pois o pregador é representante de Deus e não de um circo. 
j) Não ataque hostilmente. 
k) Ande na plataforma com a devida dignidade. 
l) Não ilustre com narrações longas. 
m) Não se elogie a si mesmo. 
n) Não se afaste do texto ou do tema. 
o) Não canse os ouvintes com discursos extensos. 
p) Procure suscitar interesse. 
q) Fale com autoridade, mas não em tom de mando. 
r) Fixe o olhar nos ouvintes. 
s) Não crave os olhos nem no chão, nem no teto, nem tampouco em algum ouvinte particular. 
t) Quando for citar um texto bíblico, cite primeiro o livro, depois o capítulo e por último o verso. 
u) Não Grite: Grito é a Manifestação cabal de quem não tem argumento. 
v) EXALTE A CRISTO. 
3 – POSTURA (DIANTE DE SI MESMO) 
1. Não deve colocar as mãos ou a mão nos bolsos das calças ou paletó. 
2. Não deve ficar o tempo todo com o dedo indicador de forma acusadora. 
3. Não deve dar socos na mesa. 
4. Não deve ficar abotoando e desabotoando o paletó. 
5. Não deve ficar arrumando a gravata. 
6. Não deve alisar os cabelos a todo instante. 
7. Não deve brincar nervosamente com a gola do paletó. 
8. Não deve ficar pondo e tirando o relógio. 
9. Não jogar a Bíblia sobre o púlpito depois de lida. 
10. Ler mais o que puder. 
11. Conhecer o Público Alvo 
12. Conhecer o ambiente que irá pregar 
13. linguagem Bíblica 
14. Sempre “nós” nunca “eu”. 
15. Apresentação e asseio pessoal. 
16. Empatia. 
17. Firmeza. 
18. Coragem. 
19. Simplicidade. 
20. Dedicação. 
21. Sabedoria. 
22. Sensibilidade. 
PARA REFLETIR 
“As pessoas não vêm à igreja para ouvir um sermão. Vêm à igreja esperando que o sermão chegue ao coração, satisfaça as suas necessidades e modifique a sua vida. As pessoas querem ser mudadas. Estão cansadas da vida de fracassos que vivem. Não querem somente pregação, mas ajuda, e se alguém pode dar-lhes esta ajuda, o povo vem”. 
…”Necessitam de ajuda para a difícil viagem da vida. Necessitam de reprovação, encorajamento, advertência e amor. Necessitam disto urgentemente, porque a hora é avançada e suas necessidades são grandes.” 
Pregador não é: …“alguém que ‘toma a hora’ ou ‘ocupa o púlpito’. Isto não é o que o povo quer”. (Adaptado) (Livro: Para você que quer ser Líder, pag. 206, 207) 
“Falar em público é uma arte e todos nós somos capazes de transmitir com clareza e segurança nossas ideias, no entanto para que isso aconteça temos que exercitar diariamente esse dom, aproveitando todas as oportunidades que tivermos para falarmos em público”. (Sérgyo Costa) 
“Todo o orador, quando fala, quer ser ouvido… Como será ouvido se não conseguir prender a atenção de quem o escuta?” (Sérgio Biagi Gregório) 
Sugestões de Leitura: 
· Pregação e Pregadores, D. Martyn Lloyd-Jones, Editora Fiel. 
· Manual de Pregação, John Koessler, Editora Vida Nova. 
· Hermenêutica Avançada – Princípios e Processos de Interpretação Bíblica, Henry Virkler, Editora Vida Acadêmica. 
· Como Preparar Mensagens Bíblicas, James Braga, Editora Vida Acadêmica. 
· Erros que os Pregadores devem Evitar, Ciro Sanches Zibordi, CPAD. 
· Todas As Parábolas da Bíblia, Herbert Lockyer, Editora Vida. 
· Entendes o que lês?, Gordon D. Fee & Douglas Stuart, Editora Vida Nova. 
· Enciclopédia – Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e Contradições Bíblicas, Norman Geisler e Thomas Howe, Editora Mundo Cristão. 
· A Interpretação Bíblica – Meios de Descobrir a verdade da Bíblia, Roy B. Zucy, Editora Vida Nova. 
· Bíblia de estudo Palavras Chaves – Grego e Hebraico, CPAD. 
· Bíblia de estudo Anotada Expandida, Editora Mundo Cristão, SBB. 
Referências: 
5. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 3ª edição, Ed. Positivo, Edição eletrônica. 
6. Bíblia de Estudo Palavras Chave, CPAD. 
7. Manual de Pregação, Editora Vida 
8. Hermenêutica Avançada, Vida 
9. Dicionário escolar da Língua Português

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s