ALERTA DE TSUNAMI NO NORDESTE DO BRASIL

Publicado: 06.07.2013 em Sem categoria
Tags:, ,

Geógrafo da UFPB alerta que a Paraíba pode sofrer tsunami; PE e RN já registraram tremores

 O geógrafo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Paulo Rosa, afirmou que o Litoral da Paraíba pode sofrer um tsunami. Segundo ele, toda a área de planície costeira é vulnerável, mas não é possível saber o grau de risco por falta de estudos precisos. O pesquisador alertou que Pernambuco e Rio Grande do Norte já registraram tremores de terra e realizam estudos para verificar os riscos de uma tragédia natural, mas na Paraíba ainda não há uma investigação que indique quais as probabilidades da costa ser invadida pela água. Para o pesquisador, a Paraíba já registrou elementos que, se ocorrerem juntos, podem trazer graves problemas para a população. “Rio Grande do Norte e Pernambuco já registraram movimentos, então não podemos descartar uma movimentação tectônica. Em 1961, tivemos uma maré de três metros. Se tiver vento de oito metros por segundo, que consiga levantar grãos de areia, e, ao mesmo momento, vier uma onda de meio metro teremos um problema sério”, explicou. Segundo Paulo Rosa, se ocorrer explosão vulcânica nas Ilhas Canárias, ocorrerá distribuição de ondas que podem chegar à costa paraibana. “A costa da Flórida é mais distante, mas eles estão mais preparados. Temos que ter estudos mais efetivos para proteger a população”, destacou o pesquisador. Ele alertou também para o registro de um pequeno ciclone no Interior do Estado, que ocorreu mesmo sem qualquer previsão. “Temos que ficar atentos. Em Baía da Traição, por exemplo, tem maré de 2,8 metros e fica no mesmo nível da terra. Se subir um pouco mais é complicado. Não podemos criar tumulto, mas precisamos alertar o que significa áreas vulneráveis”, frisou. Segundo ele, é preciso conhecer os riscos para haver a preparação necessária. Além disso, ele alerta que é preciso analisar porque, mesmo com estudos, ainda é difícil prever os desastres naturais. Para ele, “na natureza não tem como falar em precisão, é impossível ter exatidão”. Ele lembrou, ainda, que o Japão já estava preparado para terremotos, mas não conseguiu prever nem se preparar para esse tsunami. “Todo sistema natural na terra é dinâmico e a natureza é imperfeita”, disse. De acordo com o geógrafo Paulo Rosa, uma das ações que já podem ser tomadas para barrar parte da água que possa invadir a costa paraibana é a proteção dos mangues, mas muitos estão comprometidos. Ele também afirmou que é importante que a Paraíba pense nessa possibilidade e que o poder público investigue a sustentabilidade das grandes obras, como a construção de barragens, pois toda intervenção traz impactos e podem trazer consequências negativas da natureza.

Jornal de Luzilandia 

TSUNAMI ATINGIRÁ PERNAMBUCO! FUJAM PARA OS LUGARES ALTOS: AGRESTE E SERTÃO.

“Pesquisadores anunciam um tsunami no Oceano Atlântico. O alvo brasileiro: Fernando de Noronha e a costa do Nordeste acima da Paraíba. A formação da onda gigante depende da erupção do Cumbre Vieja, prevista pelo cientista americano Steven Ward, da Universidade da Califórnia. O vulcão, localizado na Ilha La Palma, no arquipélago das Ilhas Canárias, perto da costa africana, entrou em atividade pela última vez em meados do século 18. “E seu ciclo é de 250 anos”, avisa o especialista em riscos geológicos da Universidade Federal da Paraíba Paulo Roberto de Oliveira Rosa.

Ou seja, o gigante adormecido está perto de acordar de novo. Não seria só a larva, mas também as paredes do vulcão, a causa do cataclismo. É que na última erupção cientistas registraram o aparecimento de uma grande fissura na parte oeste da cratera vulcânica, que fica posicionada virada para o Atlântico. “Caso ocorra uma erupção de maiores proporções, acredita-se que um volume considerável de rochas e material da cratera deslize em direção ao oceano. Nesse caso, haveria um deslocamento da água do mar, vertical e para cima, de igual volume ao do material do deslizamento”, explica o coordenador do curso de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), João Adauto de Souza Neto.

Segundo o pesquisador, numa escala de milhares de anos há a probabilidade de ocorrer novos deslizamentos em direção ao Oceano Atlântico, provocando a formação de ondas. O pesquisador recomenda às defesas civis se prepararem para o possível tsunami. “Temos que ter um serviço de informações eficiente para a população. O tempo de antecedência com que se conhece um fenômeno é o principal fator. O serviço de informações poderia ser ao estilo do meteorológico. Isso é o que ocorre em outros países do mundo”, justifica.

Para João Adauto, a defesa civil deve informar à população, o mais rapidamente possível, a possibilidade de erupção iminente nas Ilhas Canárias. “Para isso, precisa passar a acompanhar a atividade desse vulcão, a partir do contato com os pesquisadores que o monitoram.”
Quanto mais rápido for conhecida a iminência de uma erupção, diz o geólogo, melhor. Rápido, nesse caso,são dias ou horas. “A população do Nordeste que habita as áreas costeiras de relevo mais baixo deveria se deslocar para áreas mais elevadas das cidades litorâneas ou do interior. O recomendado é que fiquem em

altitudes superiores às alturas das ondas do mar.”

Antes de alcançar Fernando de Noronha, a onda gigante atingiria os Estados do Ceará, Piauí, Maranhão e litoral norte do Rio Grande do Norte. “Paraíba está mais susceptível que Pernambuco”, acredita Paulo Rosa. A onda viajará, prevê João Adauto, numa circunferência crescente e em todas as direções, seguindo para a costa leste dos Estados Unidos e Canadá, Caribe, México e América do Sul.

À frente da Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe), o tenente-coronel Ivan Ramos garante que nunca ouviu falar sobre o Cumbre Vieja, tampouco sobre um tsunami. “É preciso ter cautela para não alardear a população”, adverte. Revistas de circulação nacional, no entanto, publicaram a notícia, assim como redes de TV a cabo exibiram recentemente documentários.

Na Flórida, informa Paulo Rosa, já há plano de evacuação para esse tsunami e os prédios estão sendo segurados. Enquanto o Estado americano se encontra a 4.500 quilômetros do epicentro da possível catástrofe, o Nordeste está a 4.200 quilômetros, isto é, mais perto ainda.

Fonte: RAUL JULGMAN

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s